A Lei de Adoração

por Vera Lúcia Nuzzi

57_Vera_Lucia_NuzziA adoração faz parte da lei natural, é instintivo esse sentimento e faz parte de todos os povos, ainda que sob formas diferentes.

A adoração consiste na elevação do pensamento a Deus.

Sabemos que a verdadeira adoração dispensa rituais e manifestações exteriores, mas desde que essa exteriorização seja sincera e demonstre fé aos que a observam, esta atitude poderá em alguns casos influenciar os que ignoram completamente uma religião. É evidente, porém que Deus prefere os que o adoram do fundo do coração, com sinceridade, fazendo o bem e evitando o mal.

Sobre a vida contemplativa, respondendo a Kardec os Espíritos dizem “que se não fazem o mal, também não fazem o bem e são inúteis” sobre essa temática Herculano Pires no livro Agonia das Religiões coloca “O meio natural de evolução para o homem e para todas as coisas e todos os seres, é a relação. Se nos afastamos do relacionamento social e cultural para nos elevarmos, estamos nos colocando em posição errada e tomando um caminho ilusório. A busca solitária de Deus é um ato egocêntrico e preferencial. O místico vulgar não mergulha em si mesmo para encontrar em Deus a relação com o mundo, como o fez Descartes, mas, pelo contrário, para desligar-se do mundo e ligar-se isoladamente a Deus. Não é guiado pelo amor a Humanidade, mas pelo amor a si mesmo.”
Outro ponto importante da lei de adoração é a prece.

O que é prece e como utilizá-la: respondem os Espíritos que a prece é um ato de adoração. Oramos para louvar, pedir e agradecer. O essencial não é orar muito, mas orar bem, com sentimento sinceridade, sem formulas secretas, decoradas e repetitivas. A prece não irá mudar o curso das nossas provas, mas nos dará coragem para vencê-las. Aquilo que muitas vezes nos parece um grande mal, é um grande bem na ordem geral do Universo. Na tradução de Herculano Pires, edição Lake, o tradutor coloca o pensamento de Espinosa “Deus age segundo unicamente as leis de sua natureza, sem ser constrangido por ninguém” e afirmava o filosofo na sua obra “Ética“, a impossibilidade dos milagres por ser uma violação das leis de Deus.

É muito importante mudar nossa forma de agir errada para fortalecer a prece e recebermos a ajuda que estamos pedindo, inclusive orar pelos que sofrem, utilizar, canalizar nossas energias a todos que passam por momentos difíceis, não só aos amigos e parentes, mas à Humanidade em geral.